Planejamento Estratégico de TI /ou: Resmungo de um desenvolvedor

Posted: 28 de nov de 2007 | . David Lojudice Sobrinho | tags: , ,

Você, leitor deste blog, pode pensar que tenho algum problema com a Microsoft, pois o conteúdo dos últimos posts sempre tem criticas a nossa querida MS. Caro colega desenvolvedor, você esta parcialmente certo. Tenho problemas com a Microsoft sim, mas eles só apareceram nos últimos anos.


Para começar, quero deixar claro que não tenho problema algum com o fato de ser uma empresa bilionária e de fazer dinheiro com software. Na verdade, tenho grande admiração pela Microsoft justamente por fazer isso. Acho que a computação voltada ao negócio e/ou usuário final deve ser pago. Resumindo: No geral, programadores não ouvem os usuários, logo precisam de empresas entre eles para direcionar os programadores a fonte da renda: o usuário. E este, feliz com suas necessidades atendidas, paga por isso. Nada mais simples.


(Aproveitando o tema para um desabafo: o ufanismo pró-Free-Software é burro. Burro por acreditar em valores mentirosos. Mentiras contadas por bons contadores de mentiras. Alias, todas as vezes que você falar mais alto o nome de uma empresa, movimento, organização, produto, etc., desconfie. Você pode estar sendo usado. Mas isso fica para outro post.)


Voltando a Microsoft...


Meu problema com a Microsoft começa quando eu, gestor de TI que utiliza as ferramentas desta empresa, começo a perceber que tenho pouco a acrescentar a minha empresa como diferencial competitivo, pois diferencial em TI é só um: inovação continua. O resto é commodity.


Se o seu setor de TI não pode, não quer ou não precisa acrescentar diferencial a empresa onde você trabalha, pare de ler esse post agora.


Nicholas G. Carr - IT Doesn't Matter: “…the article argues is that we're at the point where any technological improvement in the management of information will be quickly and broadly copied, rendering it meaningless for competitive advantage.” http://www.nicholasgcarr.com/articles/matter.html


O que tenho percebido que o mundo fora da Microsoft corre mais rápido. Não que a Microsoft antigamente saia na frente. Pelo contrário, ela sempre foi uma empresa “mainstream”, preocupada em entregar tecnologias que acreditava que iriam fazer alguma diferença, mas para isso deixava as tecnologias novas, recém saídas das universidades ou inicialmente usadas apenas por apenas earlier-adopters, “decantarem” um pouco para poder entregar isso de forma mais amigável ao publico dela.


O problema está nessa demora. Ultimamente, tecnologias decantadas, filtradas e destiladas demoram a chegar ao mundo Microsoft. Ou, numa quebra de padrão ao qual a Microsoft está acostumada, as tecnologias não tem tempo para decantar, pois o meu (ou o seu) concorrente não esperou para usá-la. Exemplos:


Test Unit – li hoje (*) também que a Microsoft está colocando o teste unitário nas outras versões do VS 2008, mão só no Team System. Uso NUnit a 4 anos! Programinha bobo, mas extremamente útil que poderia ter sido aprimorado e melhor integrado no VS a tempos. http://www.codeproject.com/lounge.asp?msg=2317383#xx2317383xx


Model-view-controller – li hoje que a Microsoft esta criando um MVC Framework para ASP.NET. MVC? Sim, o velho e bom MVC de 10 anos atrás. A Lib é até interessante, mas já não tem mais diferencial. http://weblogs.asp.net/scottgu/archive/2007/11/13/asp-net-mvc-framework-part-1.aspx


Grid / Parallel Computing – li hoje também (sim, hoje também!) um paper da Microsoft: “Microsoft Parallel Computing Initiative Ushers Computing into the Next Era”. Já escrevi aqui sobre isso. Pense comigo: Será que o Gartner Group não previu que a quantidade de dados ia crescer mais que uma única CPU poderia processar? De novo, atrasada. http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyId=633F9F08-AAD9-46C4-8CAE-B204472838E1&displaylang=en


AJAX – O ASP.NET AJAX Framework demorou ou não? Esse Framework é composto de várias partes que poderiam ter sido entregues em pedaços menores e ir evoluindo com entregas regulares.


ORM – Enquanto o mundo Java usa ORM a séculos, o pobre desenvolvedor .Net ainda constrói 100% do seu acesso ao DB na mão. E o LINQ não vai melhorar isso.


Sem falar na lavada que a Microsoft está tomando no mundo Web. Acho que o SilverLight 1.1 (com CLR) vai melhorar sua penetração nas aplicativos mistos, puxando a briga para o desktop, e com isso trazer inovações para seu domínio. Mas só não pode demorar muito!


E quando não está atrasada, não tem diferencial:


DLR (IronPython, IronRuby) – Não posso culpar a Microsoft por seguir o buzz, mas não dá para dizer que linguagens script-like, não tipada, tem diferencial. O que melhorou desde o VB3? Mas tem sempre um louco tentando te convencer que Ruby é uma revolução colocando um pato no meio da história. Inacreditável! http://blogs.msdn.com/hugunin/archive/2007/04/30/a-dynamic-language-runtime-dlr.aspx


F# - Se você é acadêmico e usa programação funcional, você não usa produtos Microsoft. Se você é do mundo dos negócios não usa programação funcional. Então F#@%!http://research.microsoft.com/fsharp/fsharp.aspx


Minha primeira dica para a empresa bilionária é: Não Espere Tanto. Se a inovação é parte do diferencial da empresa que dependem de TI, não posso esperar todos os meus concorrentes usarem a tecnologia para eu começar a usar.


A outra é: Quebre Paradigmas. Me lembro que a Microsoft ditava a direção dos avanços tecnológicos nas empresas e nas mesas dos usuários domésticos, criando muitas vezes a necessidade, antes mesmo da tecnologia. Hoje, a Microsoft deixou esse papel para o Google. Por exemplo: nesse momento eu quero colocar um grid computing na minha empresa. Preciso? Lógico que não! O modelo três camadas (UIs -> BS -> DB) atende muito bem, logo a Microsoft atende. Mas o Google me mostrou que eu poderia guardar muito mais informações que eu armazeno hoje, criando posteriormente possibilidades para BI, por um custo relativamente baixo. Infelizmente não tenho como, pois meu stack é Microsoft e não tenho a tecnologia para isso. Maldito Google: além de me deixar angustiado, ainda faz com que eu me vire contra meu principal fornecedor de software! Genial se não fosse trágico. (Ok, não tão trágico assim...)


Uma outra estratégia seria: Não queira fazer tudo e incentive os parceiros. Como já disse aqui (até demais), uso um ORM que compramos a parte. Por que não trazer na instalação do Visual Studio dois ou três ORMs? Assim como o Crystal Reports vem junto com o VS, com licença básica, outras tecnologias poderiam acompanhar o pacote. Mas pelo jeito essa não pega, pois até o Criytal Reports foi deixado de lado para dar lugar ao SQL Reporting Services.


Agora quero ver se o tio Bill passa por aqui, como é de costume, e muda esse cenário. Eu, desenvolvedor Microsoft, espero que mude.


(*) - hoje = 5 dias atrás. Este site (thespoke) ficou fora por dias. Quem é o responsável?

0 comentários: